Português
Breve Historial da Vida de Sebastião Matsinhe Versão para impressão Enviar por E-mail
Sebastião Filipe Matshine é o nome com o qual foi baptizado na Igreja Metodista Unida em Moçambique. Ele é o último filho de Filipe Sumburane Matsinhe com Luísa Laíta Humbane. Sebastião é ultimo filho numa família de quatro irmãos e uma irmã.

Nascido aos 24 de Fevereiro de 1967 na localidade de Cambine (Sede da Igreja Methodista Unida em Moçambique), distrito de Morrumbene na província de Inhambane. A província de Inhambane situa-se 478 km a norte da capital Moçambicana, Maputo.

Filipe Sumburane Matsinhe com sua exposa Luísa Laíta Humbane,
Pai e mãe de Sebastião Matsinhe (Foto tirada nos meiados de 1960s).

Após o seu nascimento, Sebastião não residiu por muito tempo na localidade de Cambine, como sua mãe o disse mais tarde. A não permanência nesta localidade deveu-se ao facto de não possuirem uma residência própria na Missão de Cambine. Isto porque a sua mãe se encontrava na missão a atender trabalhos respeitantes a Igreja quando Sebastião nasceu.

A sua família teve que deslocar-se e viver na localidade de Machocha, no distrito de Massinga, na mesma província. Mahocha situa-se mais para zona do campo. A sua casa situa-se numa área de vasto pomar pertencente a sua família. Nesta região residiu cerca de três anos aproximadamente.

Quando Sebastião completou 11( onze) meses de vida, teve a infelicidade de perder o seu pai. Ele não teve previlégio de chamar-lhe pai como as outras crianças. Esta é uma experiência que Sebastião gostaria de ter na sua vida, mas já mais terá.

O seu pai trabalhou nas minas de ouro de Rooderport Durban Deep na cidade de Johannesburg, na República Sul Africana até 1965. A sua mãe era uma camponesa e foi uma senhora activa em questões religiosas, mais propriamente ligada à Igreja Metodista Unida em Moçambique.



Sebastião Matsinhe com sua mãe Luísa Laíta
(Fotografia tirada por Paulo V. Timótio, 1991).

Após o desaparecimento físico do seu pai, a sua mãe, teve muitas dificuldades em cuidar dos filhos. Mas como uma mulher camponesa na zona rural, e o seu Envolvimento na agricultura, junto das suas cunhadas – Enera e Andrieta Quibine - ela foi capaz de educar todos os seus filhos pelo fruto do seu ardúo trabalho.

Enera (a direita) e Andrieta Quibine,
cunhadas da mãe de Sebastião; em Mahocha – Massinga
(fotografia por Samson Matsinhe 13/07//2005)

Em 1970 quando Sebastião com três anos de idade, foi residir em Lourenço Marques (hoje Maputo) com o seu irmão mais velho Alipezado Filipe Matsinhe (Lítane), que na altura tinha 24 anos de idade. Os seus outros irmãos – Arão e Joaquim Filipe Matsinhe - nesta altura trabalhavam na mesma cidade, onde Sebastião cresceu.

Sebastião começou a frequentar o seu ciclo escolar um pouco mais tarde em relação as crianças da sua idade. Inicia a estudar na Escola Primária Comandante Correia da Silva, actualmente Escola Primária 16 de Junho. Frequentou o seu ensino Secundário na Escola Secundária da Maxaquene, e na Escola Secundária Josina Machel e o seu ensino médio na Escola Secundária Francisco Manyanga. Em 1992 completou o ensino médio ainda dentro do sistema de educação colonial, conhecido por antigo sistema de educação.

A vida de Sebastião é dividida em duas partes, cuja experiências adquiriu durante a sua juventude. As duas fases da sua vida sao: primeiro como uma pessoa físicamente dotada (a chamada pessoa normal); e segundo a chamada de pessoa portadora de dificiência física.

Sebastião cresceu como um jovem comum, com vontade de aprender e com muito talento desportivo. A religião cristã também jogou um papel preponderante na sua juventude.

Durante os seus tempos livres, Sebastiao Matsinhe, divertia-se assistindo filmes nas salas de cinema da cidade (do Maputo) e fazer desenhos com um amigo chegado de escola ( Mário Tique). Mário Tique desde o tempo de infancia continua a ser o idolo de Sebastião em termos de desenho e pintura. Quando Sebastião frenquentou o ensino secundário e médio, foi considerado um dos melhores alunos em desenho e no desporto. Ele tornou-se um dos melhores estudantes na prática de atletismo e (o a esta a mais) de Basquetebol na escola. Sebastião fez parte de uma turma especial de desporto e sem igual de quarenta alunos, todos praticantes de Basquetebal – a Sexta B (1982) - da Escola Secundária da Maxaquene, na cidade de Maputo. Foram estes alunos que representavam a escola nos jogos inter-escolares durante as férias na cidade.

De 1981 a 1985, Sebastião Matshine tornou-se atleta de um dos grandes clubes de Moçambique, o Clube Desportos da Costa do Sol. Neste clube, práticou a modalidade de atletismo, na especialidade de velocista – 100 e 200 metros e salto em comprimento - até pouco antes do seu decímo oitavo aniversário natalício.

Pouco antes de completar 18 anos de idade, Sebastião foi lhe diagnosticado uma condição médica grave que o forçou a abandonar o atletismo. A doença, continua até hoje ser misteriosa pois os médicos continuam sem descobrir a origem do facto. Este foi um período de viragem na sua vida de pessoa chamada “normal” para a de chamada portadora de “deficiência”.

Sebastião desde então teve que adaptar-se a viver como “portador de deficiência. Apartir deste período a sua vida não continuou a ser a mesma comparando com o período em que Sebastião se encontrava em boa saúde, pois ele agora tem que andar com ajuda de um par de canadianas.

Dentro deste contexto, com sugestão e encorajamento dos seus professores, famíliares, amigos e pessoas que conheciam e reconheciam o seu talento e habilidades nas artes, tornou-se num artista plástico. Em 1988 tornou-se pai solteiro. Contudo, não casou (com ) a mãe do seu filho devido a rejeição da família da rapariga, por causa da sua condição de portador de “deficiência” fisica.

Em 2001 depois de ter apresentado três exposições individuais e uma colectiva, em 1997; 1998; 1999 e no ano 2000 respectivamente no sul de Moçambique, Sebastião ausentou-se do seu país de origem para seguir a sua formação superior na University of the Western Cape, Cape Town, na República Sul Africana. Em 2003 enquanto se encontrava a estudar, Sebastião recebe notícia sobre o falecimento da sua querida mãe por moitvo de doença (tensão alta).

Em 2005 e 2007 Sebastião Matsinhe gradua respectivamente, em BA (bacharelato) e BA Honours (lincenciatura em artes - Antropologia) pela University of the Western Cape.


Momento em que Sebastião Matsinhe se graduava
em BA (Artes –Setembro 2005).

A vida de Sebastião continua muito ligada a pintura para sustentar os seus estudos e do seu filho Samson Sebastião Matsinhe, porque eles nunca conseguiram obter bolsa de estudo, o que faz a arte uma forma de sobrevivência até ao momento. Sebastião Matsinhe encontra-se com o carismático idolo Sul Africano Sr. Nelson Mandela, aos  27 de Maio, 2008, em Maputo – Moçambique. Estes são pedaços de exemplos da vida de Sebastião Matsinhe nos anos da sua formação como homem.