Português
Biografia Versão para impressão Enviar por E-mail

Sebastião Matsinhe, é Moçambicano, nasceu em Cambine, Província de Inhambane e veio a crescer na Cidade de Maputo, capital da Republica de Moçambique,  onde frequentou a instrução primária, Secundária e conclui o nivel médio no antigo sistema nacional de educação.

O desporto foi o primeiro amor de Sebastião. Praticou ginástica, basquetebol e atletismo, primeiro como aluno, e mais tarde como federado do Clube de Desportos da Costa do Sol de Maputo. O seu talento foi rapidamente reconhecido e em 1984, foi seleccionado para participar no Primeiro Campeonato Nacional de Atletismo de Juniores, na Cidade da Beira. Infelizmente, em Janeiro de 1985, a sua prometodora carreira teve um fim prematuro quando lhe foi diagnosticado uma condição médica grave que o forçou a abandonar o atletismo. Matsinhe com apoio do seu clube, Costa do Sol e do Sport de Lisboa & Benfica, mudou-se para a África do Sul (Durban) e depois para Portugal (Lisboa) para receber tratamento médico.

 

“O Destino é Imprevisível, mas a Aposta é Vencer!”


Sebastião Matsinhe sem esquecer a escola, lidou com esta mudança cruel que o destino lhe reservou, virando-se para as artes plásticas como forma especial de se expressar. Na arte de pintar,  foi influenciado pelo Mário Tique, seu amigo de infância e colega de escola primária e Secundária. Em 1996, o Dr Augusto Cabral, atravéz do seu filho Rui, vê as suas obras de arte pela primeira vez, e aconselha Sebastião a expôr as suas pinturas publicamente em exposições.

Mário Tique com Sebastião Matsinhe/  Fotografia,  2007-Maputo

Exposições Individuais:

Dentro desse contexto, em 1997, apresenta a sua primeira exposição individual intitulada Trinta Anos Depois, em Cambine, Murrombene. Foi seguida por exposições individuais, Marcas do Homem (1998) e Terceiro Gráu (1999) ambas tiveram lugar na Associação Moçambicana de Fotografia, em Maputo. Em Julho (2004), Tumbunuko wa Kuhanya (Lógica da Vida), foi a quarta exposição individual de Sebastião Matsinhe apresentada no Centro Cultural Franco Moçambicano, em Maputo-Moçambique. Em Setembro (2005), na Africa do Sul, durante a sua graduação em BA (Bacharel em Artes), apresenta a sua quinta individual intitulada Mãos Dadas, em Bellville, RSA. Em Setembro 2006, apresenta a sua sexta exposição individual em Waterfront, na sede da BMW em Cape Town, a convinte desta.

De Abril de 2007 à Maio 2008, Sebastião Matsinhe, celebra o seu Décimo Aniversário artístico na Africa do Sul (Cape Town) e em Moçambique (Maputo e Inhambane). Para comçar apresenta-se em exposição ao público Sul Africano (17 de Abril, 2007) no Festival internacional de estudantes em Arts ITHUBA, em Bellville, RSA. Em ( Julho de 2007), na Associação Moçambicana de Fotográfia em Maputo, a sua setima exposição Individual intitulada Choro Em Retrospectiva, Sebastião Matsinhe apresentou na conferência Anual da Igreja Metodista Unida, a sua oitava individual denominada Kuehleketa (Reflexão), de 06 a 09 de Dezembro de 2007, em Cambine - Inhambane, sua terra natal; como forma também de incentivar aos outros artistas a valorizar as nossas raízes. A 22 de Maio de 2008, para encerrar as comemorações dos 10 anos de careira artistica, Sebastião Matsinhe, apresenta no BCI-Fomento, em Maputo, a nona individual intitulada Kanimambo (Obrigado), em homenagem a todos que o apoiaram, apoiam e acompanham na sua carreira até hoje, em particular a impresa Moçambicana e no estrangeiro bem como todos aqueles que adiquiram e adiquirem as suas obras.

Exposições Colectivas:

Em adição às exposições individuais, Matsinhe também participou em vários eventos (exposições) de cooperação incluindo uma colectiva que beneficiou as vítimas das cheias, (2000); uma exposição em conjunto com Toni Paco, intitulada Descoberta (2003) ambas na Associação Moçambicana de Fotográfia, em Maputo, respectivamente; uma exposição intitulada Heritage,  na University of the Western Cape, na Cidade do Cabo, África do Sul (2001), na qual presentemente Matsinhe encontra-se a proceguir seus estudos. Também apresentou uma exposição com Xavier Mbeve, com o título Unity (Unidade) em Constância na Cidade do Cabo, a 25 de Junho de 2002, dia da Independência de Moçambique. Em Setembro de 2002, Sebastião Matsinhe ganha prémio distinção no Festival Internacional de cultura, na UWC, Cape Town-RSA. Em Julho 2004, Matsinhe com Chica Sáles, apresentam Fragments of Colours, no Baxter Theater, em Rondebosh, Cape Town. Em Novembro de 2006, Sebastião Matsinhe juntamente com Walter Zandamela (Zand), apresentaram no Hotel Avenida, uma exposição intitulada Homenagem a Um Homem, em memória ao Dr Augusto Cabral, homem que tanto contribuíu para o desenvolvimento artístico de Sebastião Matsinhe e das artes plásticas em Moçambique.

Dentro do espirito das festividades do seu Décimo Aniversário Artístico, Sebastião Matsinhe com Mário Tique, apresentaram juntos de 19 a 27 de Outubro de 2007, no Hotel Avenida, em Maputo, uma exposição intitulada Kunwayitana (Sorriso); e para o enceramento  a 23 de Maio de 2008, em simultaneo com individual no BCI-Fomento, o pintor Sebastião Matsinhe apresenta com seus amigos nas artes plásticas – Mário Tique; Toni Paco; John Forna; Carlos Fornazini; Walter Zand; Augusto Sambo e Vovos - uma exposição colectiva, denominada Nkongometo (Destino), na Associação Moçambicana de Fotográfia, em Maputo.

Da esquerda para direita: Toni Paco; John Forna; Sebastião Matsinhe;  Walter Zand; Augusto Sambo e Vovos/ Fotografia tirade em Maputo 2008.

De seguida, na Republica da Africa do Sul, de 25 à 30 de Junho de 2008, Matsinhe apresenta juntamente com os artistas Idasse Tembe; Dito; Felecita; Chica Sáles; Mário Tique; Forna; Simões e N’Dlozy uma exposicão colectiva intitulada Criança o Futuro, no ARTSCAPE, Cape Town,

Da esquerda para a direita; Dito, Sebastião Matsinhe, Simões e Idasse Tembe durante a esposição Criança o Futuro, no Artscape, Cape Town – Africa do Sul/2008.

 

Outros Trabalhos:

Durante os últimos anos do século XX, e a primeira década do século XXI, Sebastião Matsinhe produziu inúmeras obras de arte bem como cartões de Natal e postais. Um dos seus trabalhos preferidos é a Vida de Jesus na Terra, uma composição enorme de 11m x 68cm que doou em 1998 à Igreja Metodista Unida em Moçambique (Paróquia da Malanga, Maputo), a que ele é membro. Algumas das suas obras foram comprados direitos para constar em alguns livros de actores Sul Africanos e em filmes de curta-metragem.

Em (2004), Sebastião Matsinhe e Júlio Sigaúque, apresentaram pela primeira vez a fusão pintura & música num concerto musical Tumbunuko wa Kuhanya (Lógica da Vida), no Centro Cultural Franco Moçambicano, em Maputo. No ano seguinte, em Julho de 2005, Matsinhe & Sigaúque aprentaram Tumbunuko wa Kuhanya (Lógica da Vida), no Teatro Avenida, em Maputo-Moçambique; a 28 de Julho, 2005 e a 17 de Abril de 2007,  na University of the Western Cape, RAS. Esperam que esta fusão de pintura e música, tenha proporcionado aos seus convidados uma experiência única e memorável.

Em Maputo, a 02 de Novembro de 2007 no Teatro Avenida, Sebastião Matsinhe lança a sua pagina virtual: www.artsmatsinhe.com cujo a designação é O Destino éIimprevisivel, Mas a Aposta é Vencer! O evento foi abrilhantado pelo Musico Moçambicano Dino Miranda.

Sebastião Matsinhe com o musico Dino Miranda,  em Cape Town - 2007

De 12 à 26 de Dezembro Sebastião Matsinhe & Tony Paco, apresentam em conjunto uma exposição intitulada Salto Colorido no Pemba Beach Hotel, na cidade de Pemba, Cabo Delgado, no norte de Moçambique.

Sebastião Matsinhe e Tony Paco, em Cape Town-  2008

Salto Colorido é um projecto de artes plásticas organizado pela Guguiane Pachinuapa em coordenação com os artistas Moçambicanos  Sebastião Matsinhe & Tony Paco, cujo o objectivo é promover as artes plásticas e apoiar a criança desamparada; e dar oportunidade as entidades provinciais de apoiar e valorizar o artista nacional e o seu trabalho e não só.

Guguiane Pachinuapa e Toni Paco, 2008 Guguiane Pachinuapa e Sebastião Matsinhe, 2008

Assim, este facto deomonstra que Sebastião Matsinhe continua a encontrar tempo para pintar e dar o seu contributo para o desevolvimento cultural e também comemorar a Independência e as enormes mudanças no seu país de origem – Moçambique - e no Continente Africano em geral.